Mochilão pelo Peru e Bolívia: o que fazer e evitar

Nossa amiga Bruna Capraro, do blog Culturagem, dá dicas para quem planeja um mochilão pelo Peru e Bolívia. Nada como alguém que vivenciou de perto essas culturas tão especiais para nos contar o que viu por lá!

 

Vivendo em uma cidade grande, tendo uma rotina de trabalho e seguindo os passos da sociedade às vezes faz com que você sinta a necessidade de viajar para um lugar simples, de cultura diferente, onde você possa esquecer da rotina, onde você possa se desapegar das coisas materiais e até mesmo entrar em contato consigo mesmo. Sendo assim, uma viagem para a Bolívia e Peru pode ser o destino certo.

Mesmo com suas diferenças, esses dois países têm pontos em comum, como a simplicidade do povo, a riqueza cultural, os sítios arqueológicos e as grandes altitudes. Para aproveitar a viagem ao máximo, veja algumas dicas e curiosidades:

As lhamas (que não cospem) com sua dona, no Peru.


Mergulhe na cultura

Existem várias opções de estilo de viagem, mas recomendo deixar no Brasil a mala de rodinha, o salto alto, a maquiagem, o celular. Com tantas paisagens naturais belíssimas e aventuras para viver quando se viaja mochilando, o desapego material é necessário para estar livre para mergulhar na cultura do país.


Época certa

Julho é a melhor época para viajar para Bolívia e Peru. Em Janeiro e Fevereiro é menos frio, porém o risco de ter um passeio cancelado por causa das chuvas fortes é alto. No inverno as paisagens ficam mais bonitas, com céu azul e Sol, mas com um frio arrepiante. Aí é só se proteger bem com roupas adequadas como fleece, segunda pele e anorak.

Trilha na Ilha do Sol, Bolívia.


Se desafie

Aproveite para fazer lá o que você não tem o costume de fazer, como por exemplo caminhar 4 dias, sem tomar banho, em uma trilha com paisagens deslumbrantes, ou subir uma montanha nevada de quase 5 mil metros de altitude. Parece loucura? Acredite que você é capaz! O importante é não desistir e ir no seu ritmo. Ambientes desafiadores fazem você se conhecer melhor e até fazem os desafios da sua vida se tornarem mais fáceis. Depois de conseguir subir uma montanha nevada, você com certeza vai se sentir diferente.


Nada de fast food

Com as devidas precauções, experimente a comida típica do país. Comer em restaurantes do povo, e não turísticos, é uma experiência que se deve ter. Além de economizar o seu dinheiro, provavelmente você irá se surpreender com a comida. Sem medo de ser feliz (e de passar mal) aproveite para conhecer restaurantes com comida simples. Na Bolívia e Peru é comum comer sopa de batata e milho (muito boa, por sinal), frango, arroz e se tiver coragem, carne de lhama ou o famoso Cuy, aquele porquinho servido inteiro no prato.

O ônibus quebrou? Aproveite o tempo para apreciar a paisagem local.

Aceite as condições

Fazer essa viagem requer horas e horas de viagem de ônibus, com paradas em lugares precários no meio do nada para fazer xixi e comer, correndo o risco de o ônibus quebrar no meio do caminho. Relaxe e tire proveito até dos piores momentos! Em uma das minhas viagens, o ônibus quebrou e tivemos que pegar carona em um caminhão, o que foi uma aventura divertida. Outro fato comum ao qual você deve se acostumar é tomar banho gelado, em 20 dias posso dizer que tomei somente 1 banho quente. O frio fortalece o caráter!


Fique esperto

Sempre carregue todos os seus documentos, dinheiro e cartões com você, em uma moneybelt. É difícil ocorrerem assaltos violentos, mas muito fácil de seus pertences desaparecerem sem você perceber.

Chocolate Sublime (bom e barato) e refrigerante Inca Kola durante o passeio, no Peru.


Leve o seu kit

Acordar cedo, passar o dia todo caminhando, fazendo exercício físico, sem saber a que horas poderá almoçar e a que horas voltará pro hostel, exige que você sempre tenha consigo algumas coisas como: folha de coca (para combater o mal de altitude), snacks (frutas ou chocolate), água e papel higiênico.


Amigos latinos

Aproveite para conhecer as pessoas com quem você tem contato. As diferenças de comportamento existem, mas logo nos primeiros dias você já entende como o povo é. Lembre-se que gentileza gera gentileza.

Boliviano que encontrei no Valle de la Luna, em La Paz.

 

COISAS QUE VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE FAZER:

  • Visitar o Chacaltaya (pico da Cordilheira dos Andres) e a Ilha do Sol (Isla del Sol, no Lago Titicaca), na Bolívia
  • Fazer a trilha até Machu Picchu e visitar Cusco no Peru
  • Experimentar o drink Pisco Sour e o refrigerante Inca Kola no Peru
  • Comer comida típica
  • Comprar alguma peça artesanal
  • Mascar a folha de coca (não dá barato)

COISAS QUE VOCÊ NÃO DEVE FAZER:

  • Ir com mala de rodinha
  • Deixar pertences de valor no quarto
  • Poluir as trilhas ou os sítios arqueológicos
  • Ter pré-conceito com os locais ou a comida
  • Ficar com preguiça ou achar que você não é capaz de fazer algum passeio
  • Levar coisas como salto alto, laptop, celular, maquiagem e cosméticos em excesso

 

Onde ficar

Felizmente, o câmbio das moedas locais vai ajudar no orçamento de viagem: 1 Real vale cerca de 3,48 Bolivianos ou 1,36 Nuevo Sol; e 1 Euro vale 8,65 Bolivianos ou 3,38 Nuevo Sol. Claro que ficar em hostels na Bolívia e hostels no Peru não vai custar muito: as diárias começam a partir de R$ 12 / 5€ por pessoa.

 

Gostou? Leia também:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *